Posts Tagged ‘ estruturas ’

tension/relax tranSpaces or playing with natural structures

This project is a conceptual  idea that creates models of light structures and spaces with triagulations and tension compositions attached with the proposed knots for domes and geodesic structures i ‘invented’ in my master degree thesis, for the UFOP university in Brasil. It is an utopic view of sustainable spaces including social participation and nature around and inside.  There is also a proposal of representing architecture with artistic digital photocolages, announcing  future spaces to be built.

domerandom

plan t

icosaluna

plan t2

PAVILHÃO ALPHA / ALPHA PAVILION


A transparência revela o lago e o bosque / O pavilhão é o espaço livre e polivalente / Inaugurado para o evento Casa Cor 2008 e / Mantido como sala de lançamentos da InPar Construtora. / O vão livre de 20 metros com sete treliças a cada 6,20 / Estabiliza as fachadas laterais contraventadas / A passarela conecta a construção existente / As paredes laterais em vidro são acusticamente inclinadas / A ventilação cruza pelo topo das paredes e portas corrediças / Montado em 20 dias com os tubos metálicos e cristal / Busca a leveza e a agilidade na urgência de existir

Transparency unveils the lake and the woodland / The pavilion is an open, multi-use space / Intended for the event Casa Cor 2008 and / Kept as lounge for announcements of InPar constructors. / The 20-m span with seven trellises spaced 6.20 m / Stabilize the head-winded laterals / The footbridge connects the existing building / Glazed lateral walls are acoustically sloped / Ventilation crosses over walls and sliding doors / Assembled in 20 days with metal tubes and crystal / It searches for lightness and agility in the urgency to exist.

local: Alphaville, Nova Lima, MG; área construída / built area: 920,00 m2

equipe de projeto / design team: arquiteto / architect: João Diniz; arquitetos colaboradores / associate architects: Priscila Garcia, João Pedro Torres, Jose Luis Baccarini, Mauricio Lage, Isabel Diniz

desenho estrutural / structural design: Francisco Silva; tubos estruturais / structural tubes: Vallourec & Mannesmann Tubes; cálculo estrutural / structural engineer: Euler Guerra; montagem da estrutura / structure contractor: Pórtico Estruturas Ltda; aço / steel: VMB 300; peso da estrutura / structure weight: 42 ton; construção civil / civil engineer: Nicola Peluso; vidros / glasses: Viminas Ltda, Total Vidros Ltda.; iluminação / lighting: Ernesto Lolato, La Lampe; acústica / acoustics: WSDG acoustic design, Renato Cipriano; fotos / photos: Marcilio Gazzinelli

prêmio Arquitetura em Aço / Steel Architecture award: X Premiação IAB MG, 2008

CRUZEIRO VERDE requalificação do Mercado do Cruzeiro em BH.


Vista aérea geral

PREMIAÇÃO DE ARQUITETURA VIVA O MERCADO! Proposta de Requalificação para o Mercado do Cruzeiro e entorno em Belo Horizonte, o projeto foi  um dos  três finalistas escolhidos por juri técnico e segundo colocado no voto popular ocorrido em 27/08/2011. 

Equipe de arquitetura apresenta solução alinhada com conceitos de ecologia e sustentabilidade que prevê o Mercado do Cruzeiro como um novo parque urbano.

Na entrevista abaixo, seguem os principais pontos deste projeto:

equipe: JOÃO DINIZ ARQUITETURA LTDA 

arquitetos: JOÃO DINIZ coordenador / JOSÉ LUIZ BACCARINI NETO / PEDRO GUADALUPE colaboradores / MARCÍLIO GAZZINELLI fotógrafo

P: Quais os principais conceitos do projeto?

R: O projeto nasce a partir da discussão a respeito do atual Mercado de Cruzeiro e entorno, seus problemas e potenciais. Analisando o local percebemos que a principal área de implantação seria o longo ‘talude’ que separa o mercado da Universidade Fumec e do parque Amilcar V. Martins, o parque da Caixa D’Água. Este ‘talude’ é terreno de propriedade da Prefeitura Municipal e não acrescenta qualquer beleza à área, em grande parte é impermeabilizado e não vegetado. Outras possíveis áreas livres de implantação seriam o subsolo sob o atual estacionamento/acesso do mercado ou o talude junto à rua Opala, mas estes setores foram descartados por apresentarem bastante árvores e serem mais descontínuos. Uma análise deste ‘talude’ nos remete à natureza topográfica do local, ao antigo monte, anterior a qualquer construção, e ao perfil ondulado sobre o qual se localizam hoje a universidade e o parque da Caixa D’Água. Este perfil natural se completa com a paisagem construída das ruas Ouro Fino, que tem características mais comerciais e de serviços, e da rua Oliveira que é mais residencial. A figura resultante do corte deste ‘talude’ natural sugere o linha escalonada que definiu a imagem do edifício, que será destinado a garagens e lojas no térreo, também a garagens nos demais pavimentos, e se completa com dois edifícios nos extremos do conjunto com alturas e usos compatíveis com as já praticadas e/ou permitidas em cada uma destas ruas. A idéia foi em nenhum momento barrar a visão da universidade para a cidade, triplicar a área do mirante existente criando a grande praça superior, criar um acesso natural de pedestres ao parque da Caixa D’Água, além de resolver os problemas funcionais do entorno. As áreas de estacionamento poderão ter acessos e saídas pelas ruas e pela universidade não gerando tráfego no interior da praça a ser criada ao nível do mercado.

Planta de Situação

P: Como as atividades se distribuem ao longo do projeto?

R: O ponto de partida foi a total liberação da área em frente ao mercado onde será criada uma praça com nome sugerido de Praça Éolo Maia prevendo entre generoso paisagismo: arena para apresentações culturais, espaço para playgrounds, área de ginástica e caminhadas, horta orgânica e caramanchão para permanência dos moradores que dá seqüencia ao volume do restaurante Parrilla que será mantido. Ainda nesta praça está o início da rampa que é o percurso lúdico que leva ao parque da Caixa D’Água, onde as pessoas podem caminhar, permanecer ou pedalar, desde a praça em frente ao mercado até o parque em rampa específica para pedestres de inclinação não superior a 10%. No andar térreo do edifício estão as novas lojas que, junto a parte do estacionamento, trarão recursos à administração do mercado e duas torres de escada e elevadores que dão acesso ao mirante do parque e aos andares dos estacionamentos.

P: Quais os atributos ecológicos e de sustentabilidade ambiental da proposta?

R: O projeto prevê ampla acessibilidade universal e social a todas as áreas, reaproveitamento de águas servidas e pluviais, criação de novas áreas verdes e permeáveis, requalificação paisagística com criação e de locais para horta orgânica, fruticultura e jardinagem com fins de educação e abastecimento, áreas para ginástica e promoção da saúde, criação de usina solar fotovoltaica no teto do mercado que fornecerá parte da energia ao conjunto, criação de programas e espaços de educação ambiental, e integração social e ambiental da Vila do Pindura Saia.

P: Como ficam solucionados os problemas de trânsito e estacionamento no entorno?

R: O fator de maior impacto no tráfego da área é a universidade que congestiona as ruas durante o dia e parte da noite. Nosso projeto cria 936 vagas de estacionamento cobertas e descobertas ao longo de seus pavimentos ligados por rampas de veículos. Estes estacionamentos poderão ser acessados desde as ruas ou até, se for o caso, pela universidade em sua parte mais elevada. As áreas internas de acesso aos estacionamentos serão dotadas de faixas de acumulação nas entradas não impactando as ruas de acesso. Nas áreas de maior tráfego nos pavimentos inferiores haverão rampas específicas de subida e descida de veículos. O uso destas vagas será dividido entre os usuários do mercado, dos edifícios propostos, da universidade e dos moradores e visitantes da área.

P: Como será a integração da comunidade do Pindura Saia?

R: Esta comunidade interage muito bem com o mercado sendo que vários de seus moradores trabalham lá, mas apresenta problemas de qualidade ambiental em alguns de seus espaços devido a sua ocupação e construção espontânea e irregular. A idéia é que sejam mantidas as principais construções mas que se abram espaços vazios no interior desta comunidade, e até de criação de alguns serviços. Estes novos vazios trarão mais ventilação e iluminação às construções remanescentes e incentivará o dialogo desta comunidade com os moradores da região propondo um convívio integrado, e até educativo, sugerindo que diferentes tipologias e classes sociais podem interagir no espaço urbano democrático. A praça defronte a OAB junto a esta comunidade será também integrada. Estas ações de integração do Pindura Saia serão objeto de um sub-projeto específico dentro do projeto do novo Mercado do Cruzeiro.

P: Como o projeto vai qualificar o seu entorno?

R:O entorno sofrerá visíveis melhorias através da criação da nova praça em frente ao mercado com acessibilidade ao parque, o mercado propriamente dito será restaurado e ganhará novos espaços de uso, os problemas de tráfego e estacionamento serão enfrentados, a vila Pindura Saia será integrada, o entorno ganhará mais áreas verdes, de permanência e de prática de esportes e cultura. O novo mercado será um novo pólo atrator de encontros, cultura e educação.

P: Quais as vantagens para os feirantes do mercado?

R:Como contrapartida para a disponibilização da área pública para implantação dos empreendimentos, os investidores deverão fazer a reforma e revitalização do mercado atual, construção de novos mezaninos, se necessários destinados a espaços gourmets e outros, urbanização e integração, como praça e área de lazer, da atual área de estacionamento do mercado e ainda disponibilizar aos feirantes vagas de estacionamento no edifício garagem e 39 novos espaços modulares no pavimento térreo do edifício, e ligados à praça, que serão exploradas por eles e podendo atender a usos diversos. Os feirantes desta maneira terão seu estimado mercado mantido e requalificado, e contarão com novas áreas de atividades e de aportes de recursos para a manutenção do mercado e de sua associação.

P: Quais as vantagens para a Prefeitura de Belo Horizonte?

R:Esta é uma grande oportunidade da administração municipal demonstrar seu espírito democrático ao adotar um projeto que tem apoio dos feirantes e dos moradores do bairro. A prefeitura, nesta operação, estará disponibilizando novos equipamentos urbanos à comunidade, restaurando o mercado, revitalizando um espaço público e tradicional da cidade sem gastar nada do seu orçamento ou seja com endividamento privado. A seção da área do talude e aprovação do projeto deverá ser objeto de uma operação urbana integrada entre setores públicos e privados, fora dos padrões vigentes, mas inovadora o que agregará visibilidade e repertório de novas soluções à administração pública. Algumas das novas áreas criadas no projeto poderão trazer um aumento da receita atual da prefeitura que recebe o aluguel das bancas do mercado. Todo o patrimônio construído após o prazo da concessão, que pode variar entre 20 e 30 anos, de exploração da área publica por parte dos investidores passará a ser de propriedade da prefeitura e da cidade de Belo Horizonte que terão para si todo este ativo.

P: Como explicar construtivamente o edifício?

R: O edifício ocupa a faixa de15 metros ao longo de todo o talude existente. Paralela ao edifício será construída a cortina/arrimo de concreto afastada 2,5 metros do edifício para ventilação cruzada das garagens. O edifício está modulado em 10,00 x15,00 metros e as rampas de veículos e pedestres serãoem balanço. Haverão duas torres de circulação vertical com elevadores e escadas sendo que uma destas torres dá acesso ao Parque da Caixa D’Água. O pergolado alinhado com o edifício do restaurante Parrilha será em madeira ecológica criando áreas sombreadas atirantadas com cabos de aço.

P: Como o projeto será viabilizado economicamente?  

R:A sustentabilidade econômica e financeira deste empreendimento se dará pelo equilíbrio entre os investimentos exigidos no projeto, as receitas geradas aos investidores e o prazo da concessão. Os recursos para o projeto e construção virão da iniciativa privada, através de investidores imobiliários que acreditarem e se associarem ao projeto. O empreendimento gerará receitas provenientes da exploração comercial do estacionamento, das novas lojas e dos dois edifícios que compõem o conjunto. Os investidores terão a posse e legitimidade de exploração dos dois edifícios  e da garagem, Os feirantes têm a posse e legitimidade de exploração de parte das vagas de estacionamento e dos 39 espaços modulares, além de ter, sem ônus, o espaço do mercado e atual área de estacionamento reformados, ampliados e urbanizados.

 P: Como e em que proporções será a exploração dos espaços do projeto?

R: O projeto básico proposto prevê a implantação de um edifício garagem com disponibilidade de 936 vagas e 39 espaços modulares, equipamento urbano de apoio à comunidade, usuários do mercado, usuários da faculdade e todo o entorno. Estão previstos também a implantação de dois edifícios com 60 unidades cada gerando área construída que completará a sustentação econômica para o empreendimento e terão usos compatíveis com a legislação e necessidades funcionais da área tais como apartamentos residenciais, moradias estudantis, e até usos comerciais e/ou hoteleiro (estes na rua Ouro Fino, que já apresenta características de uso misto) se for permitido e aprovado pela prefeitura municipal e comunidade local.

Dados técnicos: área total dos estacionamentos (cobertas e descobertas): 30490m² / número total de vagas: 936 / área total das rampas externas (veículos e pedestres): 2908m² / área total das 39 novas lojas: 655m² / área do edifício 1 rua Oliveira (60 unidades em 9 andares): 2968m² / área do edifício 2 rua Ouro Fino (60 unidades em 9 andares): 2633m² / área total urbanizada: 10864m² (praça) / 1100m² (mirante) / área total construída: 38999m² / numero máximo de pavimentos no mirante: 10 pavs.

CASA SERRANA / SERRANA HOUSE

CASA SERRANA / SERRANA HOUSE: João Diniz Arquitetura

O lote é a mata em grande declive, / Morro abaixo árvores no rumo do rio. / A casa quase voa, como galhos e folhas. / O acesso ao nível da rua se dá pela ponte / Ancorando e conectando os seis pórticos que / Dispostos ao longo das curvas de nível / Estruturam o pavilhão como uma palafita de aço. / Entre-níveis internos se sucedem, / Em torno do eixo vertical que é a escada central. / Os ambientes mirantes se projetam aéreos. / Sobre a transparente sala está o terraço / Continuidade construída da paisagem/ Quintal suspenso que abraça a natureza.

The site is forest in steep slope, / Trees downward to the river. / The house almost flies away, like branches and leaves. / The street access is a bridge / Anchoring and connecting the six porticos which / Disposed along the contour lines / Structure the pavilion as if a steel stilt house. / Internal inter-levels are in succession, / Around the vertical axis of the central stairway. / Observatory rooms are projected in the air. / Over the transparent room is the terrace / Continuity built from the landscape / A suspended yard embracing the nature.

projeto / project: 2000; obra / completion: 2001 / local: Estância Serrana, Nova Lima, Minas Gerais / área do lote / site area: 1003,00 m2 / área construída / built area: 360,00 m2

equipe de projeto / design team: arquiteto / architect: João Diniz; arquitetos colaboradores / associate architects: Marcelo Maia, Adriana Aleixo, Clarissa Bastos, Cristiano Cezarino

construção civil / civil engineers: Gabriel, Bi Lustosa; cálculo estrutural / structural engineer: Sebastião Mendes; peso da estrutura / structure weight: 14,5 ton.; aço / steel: aço A36, perfil laminado CSN; fotos / photos: Marcílio Gazzinelli

CASA KS / KS HOUSE

CASA KS / KS HOUSE: João Diniz Arquitetura

A geometria do lote sugere a implantação / Valorizando o vazio, a praça interna e o gramado que / Num ângulo e arco desenham o vazio verde. / No nível mais alto do terreno está a casa. / A marquise metálica busca visadas da lagoa / Suas ondulações dialogam com a Pampulha. / O volume construído mescla estruturas: / Aço, concreto, madeira se complementam / Definindo apoios, fechamentos e coberturas. / A integração interna do espaço de convívio / Se une ao exterior trazendo para dentro / A idéia e a distância da orla de Belo Horizonte.

Appreciating The site geometry suggests the placement / the empty, internal space, lawn that / In an angle and arch design the green emptiness. / At the higher level is the house. / The metal cantilever looks for lagoon views / Its undulations talk to Pampulha. / The built volume mixes structures: / Steel, concrete, wood complement each other / Defining supports, closures and roofs. / The internal integration of the coexistence space / Connects to the exterior bringing inward / The idea and the distance of the Belo Horizonte’s edge.

projeto / project: 2004; obra / completion: 2007; local: Pampulha, Belo Horizonte, Minas Gerais; área do lote / site area: 1120,00 m2; área construída / built area: 433,00 m2

arquiteto / architect: João Diniz; arquitetos colaboradores / associate architects: Clarissa Bastos, João Pedro Torres, Priscila Garcia.

construção civil / civil engineer: Enio Teles / Tenap Ltda.; cálculo estrutural / structural engineer: Rubens Morato; artista / artist: Jorge dos Anjos; fotos / photos: Marcílio Gazzinelli

CASA MARINA / MARINA HOUSE

CASA MARINA / MARINA HOUSE: João Diniz Arquitetura

Seria precipitado afirmar, ou negar, o paralelismo / Entre a geografia e a cobertura arqueada / Encontro do projeto / informatizado com a indústria. / O relevo-teto metálico abriga as funções / Criando intimidades, integrações, iluminações / Delineando a torre como parte da paisagem. / A topografia do lote define os três níveis internos / Propondo o percurso ao pátio posterior onde / As visadas são valorizadas em diferentes alturas. / Centrífuga e centrípeta é a relação tripla / Entre a natureza, a construção e as pessoas.

It would be premature to affirm, or deny, the parallelism / Between the terrain and the arched roof / Meeting of the computer project with the industry. / The metallic roof-relief performs its functions / Creating intimacy, integration, lighting / Delineating the tower as part of the landscape. / The site topography defines the three internal levels / By proposing a ride to the backyard where / Landmarks are appreciated in different heights. / Centrifugal and centripetal is the triple relationship / Of nature, building and people.

projeto / project: 2004; obra / completion: 2005; local: Condomínio Alphaville, Lagoa Santa, Minas Gerais; área do lote / site area: 628,00 m2; área construída / built area: 198,00m2

arquiteto / architect: João Diniz; arquitetas colaboradoras / associate architects: Clarissa Bastos, Mônica Ogura; construção civil / civil engineer: Frederico Grimaldi; artista / artist: Jorge dos Anjos; fotos / photos: Marcílio Gazzinelli

SCALA WORKCENTER

SCALA WORKCENTER / João Diniz Arquitetura

A avenida do Contorno, antiga fronteira / O limite previsto da cidade planejada / O edifício nesta linha, na área dos hospitais / Num encontro de construções e saúdes / De expansão urbana e serviços médicos. / A imagem tecnológica do corpo construído / Refletida numa figura humana e mecânica: / A base aberta à rua, três níveis de garagens / O corpo central fragmentado e o anel-aura / Que redefine circularmente o horizonte. / O escalonamento do volume reinterpreta / A lei urbana ao propor o prisma inclinado / No limite próximo da pele e da ossatura / Dos amarelos e brancos metálicos / Apoiados no volume-torre de concreto / Tubo vascular de apoio da estrutura em aço / Fluxos vivos em crus minérios artificiais.

Contorno Avenue, an ancient border / The intended limit of the planned city / The building in that line, an area of hospitals / In a meeting of buildings and health / Of urban expansion with medical attention / The technological image of the built body / Reflected in a human and mechanic figure: / The base opened to the street, three garage floors / The fragmented central body and the aura ring / Redefining the horizon in a circle. / The escalation of the volume reinterprets / The urban law by proposing the inclined prism / In the limit of the skin and bones / Of yellow and white metals / Supported in the concrete towering volume / A vascular tube in support to the steel structure / Living flows in crude artificial ores.

projeto / project: 1995; obra / completion: 1998; local: Avenida do Contorno 9636, Belo Horizonte, Minas Gerais; área do lote / site area: 865,00 m2; área construída / built area: 5500,00 m2

arquiteto / architect: João Diniz; arquitetos colaboradores / associate architects: Adriana Aleixo, Daniela Fenelon, Fabiana Couto

construção / contractor: Ponta Engenharia Ltda, CVA/Tríade; estrutura metálica /        steel structure: Codeme; aço / steel: Usicivil 300; peso da estrutura / structure weight: 540,00 ton; fotos / photos: Marcílio Gazzinelli