Archive for the ‘ textos / texts ’ Category

AFORISMOS NOVOS por joão diniz

Fanáticos não se avaliam.

Admirar assemelha.

A amizade é uma ampliação.

Reconhecer a própria pequenez é um passo para a grandeza.

Num güenta ou num qué? Se c qué c güenta.

Ouse e goze.

A maturidade afina as pretenções.

Deus quer que falem por si mais que por ele.

Deus é mais vivo em quem não pensa nele.

Deus está em cada um e ficar falando muito dele pode ser um ato de vaidade pessoal. Mãos à obra e façamos em silêncio nossa obra tentando uma relação divina com o próximo e o com o mundo.

Para contemplar saia do templo.

Só acontece, a bela, quando se esquece dela.

A matéria não sofre o que as pessoas sofrem por ela.

Quem inventou a intimidade não gostava de internet.

A linha da vida te desenha.

Canalhas se humanizam quando dormem.

Tolere para que te tolerem. 

Em tensões  geralmente resultam divergências de  intenções.  

A inveja desmerece a vitória alheia. 

Para o que vê e ouve a imagem fala por si. 

A auto exposição a qualquer preço pode gerar grandes prejuízos. 

Recomeçar é reconhecer que algo terminou. 

Na dúvida a maioria dos humanos prefere dialogar pela violência. 

Recomeçar é reconhecer que algo terminou. 

A presunção recebe comentários como ataques. 

Não é necessário ser vidente para conhecer evidências.  

“Filha do medo, a raiva é mãe da covardia.” Chico Buarque  

A honestidade é franciscana. 

A boa vontade prefere não insistir. 

O que é tem urgência de ser. 

Infelizmente aqui não lidamos com a infelicidade.

A letra é o idioma da melodia. 

A simpatia não insiste. 

Para conseguir é necessário oferecer. 

Só é amizade se for recíproca. 

Retratar é uma forma de pensar com os olhos. (d’aprés Alberto Caiero) 

Se quer atenção atente-se aos outros. 

Quem doa, ganha. 

Namorar para suavizar o mundo. 

Não existe verdade por conveniência. 

 Quem ama exagera bem. 

Inspiração é um atalho no labirinto. 

Ser povo nos une. 

Seja por onde anda. 

Não se obriga o voluntarismo. 

Prestigie não explorando. 

Cada versão tenta se apropriar do fato. 

A maioria das artes fica eternamente inédita. 

A dignidade se revela ao lidar com inimigos. 

Cada passo um presente.

Ande consigo.

És teu caminho. 

No empate os dois lados se julgam melhores. 

Só falam mal os mudos de bem. 

…influencia por sua capacidade de ser. 

O consciente será sempre um desajustado. 

O excesso de opções pode se resumir a nenhuma. 

Importâncias não se comparam. 

A beleza tem muitas camadas.

A estupidez é também uma declaração de princípios.

Os idiotas riem de si mesmos. 

A espiritualidade não necessita de provas.

Quem desenha se explica.

O bom ego não é egoísta. 

A linha é a semente da ideia. 

A melhor satisfação se declara. 

O desenho é a primeira figura da imaginação. 

As igualdades, em algo, sempre diferem. 

Perdoe-se pelo próprio mau humor.

Somos todos iguais até que prevaleça a arrogância.

Quem não agradece não merece um presente.

Nada mais íntimo do que a ideia própria.

Estava tudo bem até que o poder se manifestou. 

A cura é uma espécie de paciência.

O mais fraco terá sempre maiores dificuldades para argumentar.

Os humanos nem sempre são humanitários.

O imediatismo reduz o valor do instante.

O desenho é um texto em todos idiomas e quem desenha é como um poliglota. 

A história é composta por alguns fatos e muitos esquecimentos. 

Nada mais instrutivo que a falta. 

O proveito é o destino de oportunidades passageiras. 

Discípulos muitas vezes abdicam de sua capacidade de pensar.

Um líder solidário responde pelos atos de sua equipe. 

Todo larapio tem seu carisma. 

A meia verdade pode ser uma grande mentira. 

A intolerância faz que conceitos limitados se tornem preconceitos. 

Um presunçoso enganador nunca pedirá desculpas ou fará uma autocrítica. 

Entender é não confundir o que é com o que poderia ser. 

Dissimulados nunca assumem.  

O interesseiro falsifica amizades. 

O frustrado valoriza seu próprio complexo de inferioridade. 

O ingênuo convicto pode ser mais acertivo que o erudito vacilante. 

Um pesadelo não deve encerrar sonhos. 

Oportunidades não obrigatoriamente forjam oportunistas.  

O Bonfim não justifica os meios. 

Os enganadores preferem o anonimato.

Ao lidar com a matéria o espírito revela suas qualidades. 

A paixão supera os compromissos. 

A primeira pedra carece de atiradores. 

A impressão secreta só se revela sob pressão direta. 

O roubo gostaria de encurtar seu prazo de validade. 

O lucro pensa que justifica seus meios escusos. 

Enquanto a bondade é serena, a maldade procura agir. 

Nada mais transferível que a culpa. 

Otários se suportam. 

Em terra de falso que tem um brio errou?

Fome é uma pressa na barriga. 

A essência evita o excesso.  

…enquanto muitos falavam pelos cotovelos, alguns diziam com as pontas dos dedos, como num carinho.  

Não brigue com amigos por causa de inimigos. 

Quando a verdade é relativa, o sigilo é público.

A disposição ao diálogo já é um passo ao entendimento. 

A inspiração gosta de ser buscada. 

O favor não espera elogios.

Para não copiar, cite-se. 

O fazer requer continuidade.

O atento nem sempre é atendido. 

Pouco é muito mais que nada. 

Quem faz corre o risco de não ser capaz. 

O espontâneo não é necessariamente desejado.

A disciplina minimiza a cota de sacrifício.

O hábito é amigo da vontade.

O polemista prefere o desacordo.

Sou quando somos. 

A discórdia une os inimigos.

 Ninguém está cobrando mas descubra.

O começo é a fertilidade do tempo. 

A escrita é uma tradução do silêncio.

O melhor entusiasmo é espontâneo.

A promessa adia o presente.

A consideração inaugura diálogos.

A boa rotina admite novidades.

Suas reflexões são seu melhor espelho.

O afeto é um gerador de confianças. 

A disciplina ameniza a obrigação.

A teimosia abusa dos argumentos.

A maioria dos ladrões tiveram suas memórias roubadas.  

Todo vazio está cheio de significados. 

O falecido gostaria de ser tão elogiado em vida.  

Só o conhecido pode ser negado. 

O aprendizado desafia inércias. 

Inimizade é uma doença mútua. 

Até o fraterno exige tolerância. 

Conselhos não se impõem.  

Os insones tentam silenciar seus travesseiros. 

A dispersão teme objetivos.  

O amor eterno só possui seu desapego. 

As alegrias duráveis são mais discretas. 

Suas ideias lhe pedem refúgio. 

Asile a inspiração. 

A distancia aproxima sentimentos. 

Escute bem a própria voz para que não seja mal ouvida pelos demais. 

A saudade não deixa que o passado passe. 

Para o maduro o futuro está cada vez mais presente. 

A boa dúvida não nega. 

A segurança limita a aventura. 

A teimosia arrisca certezas. 

A analogia é o espelho do aprendizado.  

A inteligência argumenta quando deduz. 

A criatividade muitas vezes está em reconhecer o talento alheio. 

A falta se agrava com a desculpa leviana. 

Explicações anulam sentidos. 

A saúde é a droga mais pura. 

O falso pacifista nunca quer ser questionado.

…além das montanhas está a curiosidade. 

Só as paixões semeiam saudades. 

A atenção é em si um elogio. 

Em uma triste pátria a alegria pode ser revolucionária. 

O desconfiado assusta com a gratidão. 

A metáfora é a licença poética da realidade. 

Facilite preferindo proximidades. 

Um convite insistente não deve se tornar uma cobrança. 

Se sempre há tempo para as prioridades, priorise-se. 

A esperança é a ultima que morde. 

Se chegou até aqui tem algum valor. 

Se não está empatado estará em patadas.

Para o intolerante não existe carinho. 

…talvez eu sirva. 

O canto sobrevive aos surdos que conversam tanto. 

A resolução sucede a preferencia. 

É virtual o ex real. 

A duvida gosta de explicar. 

Melhor fazer o que não existe. 

A principal ação é o não feito por obrigação. 

O album de familia agora ê publico. 

O humor mede o amor. 

A boa voz sabe ouvir. 

Alguns sentimentos se explicados deixam de sê-los.  

Viagem são só as possíveis. 

Viagem não acaba, repousa. 

Quanto mais próximo o futuro, melhor para a promessa. 

Os melhores sonhos se realizam diariamente. 

Não é necessário ser discipulo para se entender com os mestres. 

Quem acredita em pecado costuma falar muito em Deus. 

A arena do mundo é a televisão. 

A felicidade é o maior trofeu. 

Foro intimo não precisa propaganda. 

As privacidades se vulgarizam ao serem publicadas. 

A zona de conforto pode ser um lugar incomodo. 

O caminho da fé está sempre pronto ao reinicio. 

O corpo se molda com as ações diárias. 

Tempos distantes podem aproximar emoções. 

As lembranças valiosas são a fortuna da memória. 

A ideia sugere uma ocupação. 

O prolixo desconhece seu ouvido. 

A crise aflora o oculto. 

Inspiração e necessidade de fazer, inseparáveis…

A validade de um estudo se confirma ao ser posta em pratica. 

O bom atoa está sempre disponível. 

 

Na radicalidade não há maneirismos

Será boa companhia quem souber ficar sozinho. 

A inspiração às vezes se afasta mas não tira férias.

 

Quem fuma se desperfuma. 

O melhor carinho é bilateral. 

A verdade é suprapartidaria. 

As boas ideologias nunca são histéricas. 

Percebe melhor quem olha desde diferentes posições. 

Presença é ação. 

Reconhecer o limite é estar além dele. 

A alma está em constante ginástica para justificar o seu corpo. 

A felicidade é a vitoria do espirito. 

O atleta é um filosofo dos músculos. 

Saude é a vitoria do corpo. 

A disputa é o maniqueísmo da diversão.  

O jogo é uma brincadeira reduzida por vitória e derrota. 

O sedentário não quer o tempo do seu movimento. 

Seja seu campeão. 

A saude é intransferível mas pode ser comunicada. 

A maior vitória é sobre si mesmo. 

Seja movendo-se. 

A preguiça tem sempre uma justificativa. 

O corpo fala por movimentos. 

O esporte é uma palavra do corpo. 

É perigoso quando as asneiras se encorajam. 

A inconsequência não se define. 

A intriga só semeia o desgosto. 

Intimidade publica é sempre vulgar. 

O ideal se humaniza no possível. 

O momento morreu para quem não o viveu. 

A competição é bipolar. 

Convivência requer iniciativa.  

A tristeza espera que a pessoa rompa sua inércia. 

As amizades são orgânicas e precisam ser alimentadas.  

A felicidade apenas imaginada é imaginaria. 

Guarde-se para o presente. 

Oferecer é uma boa maneira de pedir. 

A coerência não finge. 

O excesso é um impostor. 

Negar é uma afirmação. 

Falar mal nunca é o principal bem.  

Autoria não é autoridade. 

O nem sempre é uma constante. 

Só os bravos mordem. 

Poesia é a canção do pensamento. 

Que a rua com todos seus assaltos não te imponha o medo da cidade. 

Que a natureza seja uma presença mais que uma ideia.  

Que a seriedade seja bem-humorada e não rabugenta. 

 

Que a felicidade de alguns não resulte sempre na tristeza de muitos. 

Que o conhecimento seja algo a ser compartilhado e não uma ferramenta de poder. 

Que o lucro de uns não seja a desgraça dos demais. 

Que a disciplina liberte da escravidão dos horários. 

Que a aflição seja mais produtiva e menos doentia. 

Que o corpo seja uma nave e não uma bagagem. 

Que o exagero seja uma virtude e não uma autodestruição 

Que os mergulhos não sufoquem. 

Que as buscas não gerem sempre ansiedades. 

Que o desejo humano anule sua carência e preserve a pessoa. 

Que a ousadia preserve o herói. 

Que a leveza do ser comande o peso das horas. 

Que as novas afirmações não sejam apenas a negação do existente. 

Que as revoluções não se baseiem na violência. 

Que a busca de evolução considere conquistas anteriores. 

Que ao assumir tarefas os vícios anteriores sejam revistos. 

Que a expansão dos amores não negue afetos existentes. 

Que as ideias continuem inquietas mesmo no imobilismo da tristeza. 

Que o carinho não adormeça no conforto da rotina. 

Que o perdão sempre se sobreponha aos julgamentos. 

Que as velhas certezas não deixem de inaugurar novas duvidas. 

Que a passagem do tempo não mate a juventude presente em cada um. 

Que o discurso inflamado nunca abafe a audição sadia. 

Que a era digital não impeça que as fichas continuem caindo. 

 

Que o vazio existencial leve a pessoa a o preencher. 

No espelho a pessoa fotografa seus limites. 

O que é possível é, em seus limites, uma solução. 

Algumas ausências são um presente. 

Reconhecer a própria pequenez é um gesto de grandeza.   

O entusiasmo sugere a qualidade da iniciativa.  

A intimidade não se impõe. 

É permitido fixar catarses. 

A qualidade de uma novidade se confirma após seu entusiasmo inicial. 

Não se machuque com a própria força. 

A escrita é uma meditação geradora. 

Alguns discursos são geniais quando terminam. 

Fica velho quem perde a curiosidade. 

Alguns canalhas envergonham até seus inimigos. 

Não se adia uma fé. 

O abraço é entendido em todos idiomas. 

O gosto não implica na posse. 

É ignorância achar-se o único sabedor.   

A poesia, por ser tão fácil, é tão difícil. 

Se vai julgar, julgue-se. 

A utopia não se corrompe.

A busca da gloria é um fracasso. 

O ex-iniciante é um candidato à aposentadoria. 

Estamos na era das excelências condenáveis. 

A luxuria quer sempre ir além do carinho. 

A soberba não acredita em igualdades. 

A gula é especializada em regimes. 

A preguiça está sempre prometendo. 

O dono da verdade não merece a palavra. 

Escrito, o poema se assume. 

O tendencioso está limitado por seus argumentos. 

A tolerância não impõe certezas. 

Se trai quem não se distrai. 

Preferível ser ninguém do que não ser alguém. 

Para continuar próximo mantenha certa distancia. 

Cada lado tem sua solidão. 

A violência é amiga da covardia. 

Extremistas se isolam. 

A reação não precisa ser reacionária. 

Todo não é uma afirmação. 

As melhores emoções são as demonstradas. 

O recém convertido pensa que já está no paraíso. 

O pior erro é o que insiste em se justificar. 

Cuide-se para alegrar seus amores. 

A repetição que ensina pode também enjoar. 

A superioridade é um deserto voluntário. 

A excessão não é um bom exemplo.  

A liberdade não pode ser imposta. 

Escrever para entender.

Quem impõe não propõe. 

Que a energia para festejar também movimente a indignação. 

Muitos ditadores discursam em nome da liberdade. 

Deus está vendo e gostaria que víssemos também. 

O primeiro passo para a simplicidade é a autonomia. 

Certezas são potenciais geradores de decepções. 

A indignação pode ser uma boa fonte de inspiração. 

O prazer é uma confirmação da existência. 

O corpo é viciado em saúde. 

A arte é um bom contra-ataque. 

Revide com seu humor. 

A ironia é um humor contaminado.  

A imposição nunca duvida. 

A arrogância não admite argumentos. 

A indignação criativa é o melhor protesto. 

Os prolixos preferem seu próprio eco. 

Inventar não é renomear o que existe.  

A arrogancia gosta de redescobrir a roda. 

A certeza cega é um tipo de ignorância. 

O autoritário não viu mas interviu. 

A imposição não argumenta. 

O prepotente nunca elogia. 

Assumir-se para apresentar-se. 

A intolerância nunca se julga. 

A pretensão não prioriza as amizades.   

A certeza intolerante não se sustenta. 

A brutalidade sempre se engana.  

Raiva serena é grande fonte de inspiração. 

Não se impõe um interesse. 

Só citar não vai excitar. 

O egoísmo não gosta de ouvir. 

A pior vaidade é a mental. 

A autoridade não inaugura parcerias. 

A experiência alheia não interessa ao egoísta. 

A presunção é sempre auto referente. 

A serenidade neutraliza a arrogância. 

A estupidez não se vê. 

Negar-se é desconhecer-se. 

Não existe liberdade teórica. 

Sua historia é seu principal momento. 

De tanto falar ficou surdo. 

A egotrip é suficiente para o vaidoso. 

Respeito não se impõe. 

Falar mal de si mesmo é uma humildade vaidosa.  

Para dizer tudo não é necessário falar muito. 

A melhor rapidez é a sem pressa. 

Quem só discursa não conversa. 

O tempo responde em silencio. 

A trajetória não garante o futuro. 

A espontaneidade não tem pretenções teóricas. 

 A experiência nunca erra. 

O poder é mais amigo do egoísmo que da generosidade. 

A melhor atenção é a reciproca. 

Faça como criticas. 

Livre-se de suas ideias realizando-as. 

A beleza existe para sugerir a viabilidade do mundo. 

O presente é um final (in)feliz? 

A pressa é inimiga da intensidade. 

Mais vale o acerto próprio que o erro do adversário.  

A certeza pode ser um tipo de cegueira. 

Discordar do amigo não é concordar com o inimigo. 

Se há medo não é utopia. 

A motivação é o melhor conselho. 

Um favor não se obriga. 

A inteligencia nunca esta satisfeita. 

São muitos os manobristas para poucos motoristas. 

As coisas boas não temem ser antigas. 

A fotografia é uma forma de viver o aqui e agora. (MHA)

O hedonismo desfruta mas não apega. 

O amor não tem duvida. 

O ciúme desconfia das amizades.  

Um rebelde não precisa de lições mas pode apresentar resultados. 

Tragédia distante é mais grave? 

Honestidade é falta de oportunidade?  

Com seus passivos ambientais constroem a anti-natuteza. 

És o que postas. 

…que essa lama seja a gota d’água. 

Temos anos de vida, mas a vida não tem idade. 

Ser e não ter, eis a razão. 

Até o mais desatento egoísta pode ter seu momento de generosidade.   

A maioria das curiosidades se contenta com a primeira descoberta. 

O corte não é culpa da faca. 

O operador fará a ferramenta ajudar ou machucar.  

O desejo é uma curiosidade sensitiva. 

Parceria são individualidades sem egoísmo. 

A vida não volta. 

Sucesso é uma questão de permanência.  

Contar insintentemente os próprios problemas é um tipo de masoquismo. 

O gesto do adversario é sempre um golpe. 

Se sem assunto, cale. 

O dissimulado desconhece a própria fortuna. 

Nada aqui é muito. 

Qualquer maneira de sacanagem vale a pena. 

Solidão é um espirito fraco e sem tentação. 

O impossível está sempre disposto a deixar de sê-lo.  

No consumismo o supérfluo está sempre mais disponível do que o fundamental. 

O prolixo é um vaidoso vocal.   

Salve-se quem souber. 

A iniciativa exagerada de um pode gerar a passividade excessiva do outro.   

O espanto é um bom despertador. 

A obrigação dificilmente aciona o desejo. 

A grande vaidade é pensar-se como exemplo ideal. 

A disposição ao trabalho é uma boa fonte de inspiração. 

Quem apresenta novidades deve estar preparado para a indiferença. 

O momento oportuno desperta zona de conforto. 

Nem sempre, para durar.  

A gota d’água causa o diluvio. 

Nenhuma liberdade é negociável. 

A magoa é uma memória destrutiva.  

As gentilezas não deveriam ser excessão. 

Fizeram não é motivo para fazer. 

A notoriedade é a armadilha dos vaidosos. 

Todos são poetas quando se comovem. 

A suspeita clama por certezas. 

A memoria é uma construção da consciência. 

O primeiro patrimônio é o caráter. 

O obvio muitas vezes está oculto.   

Para cada acerto existe uma infinidade de erros. 

A imaginação pode também ser uma causadora de decepções.  

Um breve encontro pode amenizar uma longa solidão. 

O falso critico se acha bom por não gostar de nada além de si mesmo. 

Da intimidade faz parte o segredo. 

A ignorância reprova o excepcional e aceita o medíocre. 

A cerimonia não se arrisca espontânea.  

Um convite não é nescessariamente uma espera. 

Viver é resistir. 

If you cannot work on the pain, work on the relief. 

A pureza não tem rejeicao. 

Alguns podem ser melhores que seus defeitos. 

Hate is a loosing game.

O falante é um repetidor. 

A cor é o humor da forma. 

Alguns têm coragem de viver mas não têm coragem de imaginar. (d’aprés J. L. Godard.) 

Para saber o que quer é bom querer o que sabe. 

Relaxa e ousa. 

Não só os sacramentos consagram. 

Não está mais aqui quem calou. 

A pessoa bonita por dentro consegue ver belezas lá fora. 

Os competentes mais que admirados são admiradores. 

A inspiração é uma surpresa ofertada. 

Quem espera sempre cansa. 

A delicadeza também tem sua força. 

O aconchego é o carinho do espaço. 

O pessimismo dissemina rancores. 

Pessoa: quanto mais humana melhor. 

A pessoa se supera quando é mais humana. 

É fácil para quem sabe. 

A sutileza não tem pressa. 

O pensamento é o trabalho da alma. 

Os fins danificam os meios. 

Escrever é uma maneira de conhecer (se). 

Os falsos altruístas não se esquecem do lucro. 

A autodeterminação é um tipo de empreendedorismo espiritual.  

O banal não inspira. 

O esdrúxulo é positivo quando causa reflexoēs. 

 

Bateram boca mas danificaram os ouvidos. 

Na verdade é tudo mentira. 

O desinteresse não tem assunto. 

A felicidade não tem que se explicar. 

Tristeza é desistência. 

O rancor tem na agressão o único contato possível. 

O mal entendido tenta se explicar. 

O absoluto é insolúvel. 

Verdades internas não são relativas. 

A blasfêmia é a oração dos intolerantes. 

…só se toleram na agressão. 

A ofensa é um esporte de sádicos. 

Os inimigos são solidários em seu desespero. 

A durabilidade não liga para a moda. 

Os desconhecidos são os clássicos da ignorância. 

Desavisados não querem conselhos. 

…se posicionam pela oposição. 

A crise se realiza nos alarmistas. 

…envelhecido por muitos anos de vã idade. 

O aflito busca inimigos. 

Odeiam-se por serem semelhantes. 

Atacaram-se até ficarem iguais. 

Um erro não se divide. 

Poupe a ganância. 

Muita norma é anormal. 

O egoísmo não cita.  

Nada mais presente que a atitude. 

O ridículo busca plateias.  

O grotesco se vê como atração. 

Só o dinâmico progride. 

A evolução é autodeterminada. 

A teimosia ensurdece conselhos. 

A redundância não repousa. 

O indefensável adora acusar. 

A mentira alheia é sempre mais grave. 

A vaidade ė um horror elegante. 

Ajuda, só a necessária. 

Não há líquido que sacie a sede de poder.  

O poder é o mais egocêntrico dos desejos. 

A identidade verdadeira não precisa falar sempre de si. 

A autopromoção excessiva é um regresso. 

Shhhh! A poesia merece silencio. 

O que está oculto pode ser revelador. 

Quem não sabe para onde

 ir nem sempre quer voltar. 

O assedio pode ser irreversível.  

O notório não se preocupa em ser notado. 

Nos somos nos amigos. 

Mais do que querias és o que conseguistes. 

O que há de mais banal está também na coluna social. 

A formalidade pode ser uma deformação. 

A formalidade tem seu lado conformista. 

Louvar-se não o eleva. 

O sentido é o registro mais direto. 

Para a argumentação tudo é relativo. 

Tudo é geometria, não apenas a razão. 

A intuição é também geométrica. 

A reta é o caminho mais obvio entre dois pontos. 

O espaço vai além das áreas direita e esquerda?

A versão afaga, afia ou afeta o fato?

O humor não tem tumor.

Alguns só sabem se animar no futuro. 

Nada mais ridículo que a vaidade. 

…inconformou-se com tanta formalidade. 

O colo não tem protocolo. 

Suspeito é o aplauso pedido. 

Qualquer oficialidade tem o seu lado ridículo. 

O protocolo evita o espontâneo. 

O poeta arrogante não se contenta com a pureza do instante. 

O poeta de plantão nega a surpresa da inspiração. 

O poeta oficial faz à poesia livre um grande mal. 

Se perguntou ouça a resposta. 

O discurso nunca diz curto. 

…complicou só para poder explicar. 

O professor num discurso sistêmico desculpou-se por ser tão acadêmico. 

É um tanto vulgar divulgar-se tanto. 

Poucos são razoáveis ao julgar um oponente. 

…intenso como a lágrima. 

A poesia não passa, atravessa. 

A certeza flerta com a decepção. 

A opinião é uma atitude verbal.  

É tão delicado que quase não existe. 

Estar afim já é um começo. 

…gosta de tudo porque precisa de  pouco. 

O excesso é a causa de todas as faltas. 

O celebre não se celebra. 

Ninguém é imperfeito. 

A beleza não pode se afastar da eficiência.

A gentileza não espera troco. 

A grande ideia não da murro em ponta de faca. 

Serás o que transgredires. 

 

A coragem é a maior capacidade. 

Trabalhe para livrar-se de obrigações. 

Vocação e inspiração vitalizam o trabalho. 

A pausa faz o ritmo do ativo. 

O trabalho precisa ser impulsionado pelo ócio. 

Trabalhar é justificar-se. 

O desemprego é uma epidemia social. 

Todos são artistas ao trabalhar. 

A exploração confunde trabalho e escravidão.  

Todo trabalho deveria partir de uma inspiração comprometida. 

…provocar para invocar o novo. 

A voz é voluntária. 

A voz é a alma do texto. 

Seu prazer é todo meu. 

Só faça a bondade que és capaz. 

Nem tudo que existe tem que acontecer. 

Além do gosto está a preferencia. 

A insistência é um desconvite.  

Muito explicar pode sufocar o entender. 

Falar poesia é calar um desanimo. 

Falar bonito muitas vezes é dizer nada. 

O olhar atento inaugura evidencias. 

Tudo ia perfeito até cair a conexão. 

Um ausente não pede desculpas. 

A verdade não depende de pontos de vista. 

…conectados à distancia mas em total ausência local. 

O verdadeiro futuro tem muita memória. 

E a crise virou rotina…

A delicadeza não pode ser imposta. 

A riqueza concentrada não é feliz. 

Uma revolta também exige clareza. 

 

O resumo quanto mais sucinto melhor. 

A inspiração é mais uma busca do que um achado. 

A boa síntese oculta o desnecessário. 

Uma das partes mais sensíveis do corpo humano é o bolso.

O preço do paraíso é o encontro com a serpente.

O vaidoso só não possui a humildade.

É inferior se considerar superior.

É melhor que o outro lhe elogie em seu lugar.

A surpresa da superfície é o conteúdo.  

O ideal é teórico, o possível é pratico. Assim vamos levando… 

Dar atenção ao outro é uma maneira de se valorizar. 

O diferente não é necessariamente um inimigo.  

Na verdade, é uma mentira. 

Break the mirror instead of breaking the reflected face.

Having a dream sometimes becomes a nightmare. 

Hope is the best brick

Não obrigue o voluntário. 

Quem não planeja acaba sendo planejado. 

…ser estar fazer ou não ser estar fazer: eis a que estão destinados… (d’aprés WS)

É preciso purificar (se) mas sem perder as defesas jamais. 

A certeza pode ser uma conclusão limitada.  

Ninguém é mediocre quando é original. 

A melhor descrição é a presença. 

A boa ideia é urgente.

Deduzir é uma maneira de descobrir. 

A ideia que se tem de algo o suplanta?

…mirando o oposto do negativo.

A descoberta sempre parte de uma informação incompleta.

Poesia é querer ver nela tudo que está fora dela. 

Excesso de informação é uma estranha ignorância.   

…transformar o vazio em lugar. 

A austeridade recusa até alguns presentes.  

O sensacionalismo não tem nada de sensacional. 

Acidente é quando o instante é grave. 

O livro quer passar de mão em mão. 

Uma campanha: “Livros lidos pedem outros donos temporários.”

Perseverar demanda critérios. 

Só urgência não faz acontecer. 

…são raros mas intensos. 

Mandar é um pedir sem graça. 

Acumulofobia e descartofilia aliviam a existência. 

Existe apesar da indiferença. 

É o que é, mais do que quer ou pensam ser. 

Quem sabe, seleciona. 

Atenção tem que prestar. 

Só o que importa deve ficar. 

Quando todos fazem igual, rebeldia pode ser não fazer. 

Nada é importante sozinho. 

A sabedoria é amiga da síntese.

No sedentarismo o corpo foge de sua natureza.

Nas imperfeições é que reside a beleza. 

Autocrítica ou complacência extremas comprometem qualquer expressão.

A sinceridade não precisa ser arrogante. 

…sefiesh

A liberdade é conseqüente. 

Humor não é só piada. 

O verdadeiro sucesso não se preocupa com a notoriedade.  

Dilemas da vaidade: recatado espelho x narciso selfie. 

Dilemas da ação: falar mal x agir bem. 

Dilemas do afeto: liberdade distante x amor cativo.

Conveniência não é necessidade.  

O imediatismo não é durável. 

O reacionário é sempre um alarmista. 

Só é voluntário se for necessário. 

A atenção não pode ser cobrada. 

Tudo bem é sempre pouco. 

Confiança é uma pré-certeza.  

Amizade é positividade. 

The mainstream is straight. 

 

…conectados & desatentos. 

Sustentável não é conservador, e vice-versa.

 

Pure theory may be a kind of loneliness. 

…fazer uma lista de possíveis atitudes positivas e: AGIR!

A teoria se consuma na atitude.

Nenhum desafio é fácil. 

Cutuque seu animo. 

O mundo da ilusão está superpopulado. 

Quem pede deve estar disposto a esperar. 

Raramente estamos presentes por acaso, a presença exige esforços. 

A idea chega à pessoa para para que se realizem juntas. 

Who does is wrong when thinking that what he did is bigger than what they have done. 

Quem faz se engana ao achar que o que fez é sempre maior que o que fazem. 

A cultura física está sempre pronta a resgatar corpos incultos. 

A noticia boa é uma espécie em extinção. 

Nem toda sentença condena. 

…as frases se projetam.

O presente não se deu conta da falta de vontade alheia em recebe-lo.  

O vaidoso superfatura suas qualidades. 

A poesia não pode ser imposta. 

Artes, ao serem dadas são desvalorizadas. 

O presente é mais valido quando a pessoa que recebe realmente precisa do que ganha. 

…à margem do oficial mas no centro do verdadeiro.

…com impulso mas não compulsivo.

A vaidade sufoca um provável talento.

A maioria dos presentes é mais significativa para quem dá do que para quem recebe. Avalie bem se a pessoa gostaria de ter o que se oferece. 

A pose é a figura menos humana da pessoa.

O desapego é a relação mais profunda com a matéria. 

A ambição e a ganância discordam sobre o plano de metas. 

A ganância é um programa supra partidário.

Passar é melhor se for passeio. 

A estética por si só não é bela. 

Os desapegados relaxam na hora de dividir a conta. 

Saber é também uma questão de coragem. 

Não se some de si.

A ostentação precisa de serviços de seguranca. 

 

É, alguém quem não parece com ninguém. 

Usa o tempo que perdes para te encontrar. 

O pessimismo não aceita elogio.

Para estar nesse mundo não é preciso digitar a cada segundo. 

Num tempo de propina a dignidade anda na corda bamba.

New science in found when one goes beyond reason. 

O poema mais ridículo é o não escrito. 

Maus feitos não se comparam. 

Para o pessimista a negatividade tem seu valor. 

O egoísmo não aprova a igualdade social. 

O engarrafamento é a embriaguez do automóvel. 

O trocadilho é uma travessura da fala. 

Só quem conserta é que gosta de muito estrago. 

The smartphone doesn’t mean a smart owner. 

O diagnostico é grave: baixos índices de humor

O observador é um vagabundo criativo. 

Para a surpresa a utilidade é reducionista. 

A escuridão é um espelho interno. 

O atoa é um tipo de atento. 

A inspiração é um afago do futuro. 

Amigos são um importante portfólio. 

A ideia é o melhor chapeu. 

A vontade de fazer já é uma demanda.

Boêmios ecológicos praticam a loucura sustentável. 

…excesso de carências. 

Fingir não modifica. 

Se chegou até aqui, alguma viabilidade tem.

…hoje não, o sistema está fora do ar.

O visto é melhor que o mostrado.

 A leitura assume o estudo.

O olho pensa com a câmera.

A boa frase é um refrão.

Ser recusado não deixa de ser um mérito.

Falta um ‘r’ à burocracia.

O doce é o mais enganoso dos sabores?

O momento mais vital do ‘sempre’ é o ‘agora’.

Nade em suas próprias águas.

 

If there’s a will to design, oneself must be designed first.

Tem estacionamento lá?

– Não, vá sem carro!

Poeta que parte / não cala / eterniza sua fala. (a Manuel de Barros)

Prolixos adoram a própria voz.

A força do discurso não está em seu tempo de duração.

…fazer para quem se interessa.

O perdão é pacifista.

O rancor busca negatividades.

Quem não dá boas vindas não precisa vir.

A travessura é o oposto da culpa.

Amigos são os que sentem sua falta.

A solidariedade (muito) antes de ser política é humanitária.

O ateu também tem sua fé.

O preconceituoso é um catalizador de discordias.

O indicador é um indicio.

Se vai bem é um mérito, se vai mal é um dado desnecessário.

A democracia não pode ser imposta.

Carinho é a busca da sutileza maxima.

…atende mas não está atento.

Perder o complexo de inferioridade é um ganho.  

A recorrência tudo banaliza.

O país é de quem o reparte.

Nenhum partido é inteiro.

Anúncios

MANIFESTO AO ABRAÇO por joão diniz

MANIFESTO AO ABRAÇO
 .
Tendo em vista a situação quase insuportável a que chegamos onde se acirram as polarizações, a falta de diálogo, a capacidade de aturar diferenças e os ódios.
 .
Tendo em vista a distância entre pessoas próximas e longínquas quando o individualismo se confunde com egoísmo, personalidade se confunde com vaidade e conteúdo se confunde com dispersão.
 .
Tendo em vista a presença de um mundo cada vez mais cibernético onde a maioria dos olhares e dedos estão voltados mais às telas digitais do que às janelas, paisagens e semblantes.
 .
Resolvemos lançar mão de uma das mais antigas ações utilizadas pelos humanos e por alguns animais:
 .
O ABRAÇO!
 .
O Abraço em suas diversas possibilidades.
 .
O Abraço sincero onde quem abraça se desvencilha de preconceitos e mágoas.
 .
O Abraço com as mãos, braços, peito ou costas, com o rosto, o nariz, talvez com os lábios e as pernas, de olhos abertos ou fechados, e também se possível com o coração e a alma.
 .
O Abraço onde o corpo se empenhe em demonstrar seu vigor, acolhimento, curiosidade, sensibilidade e abertura à conciliação e ao prazer do encontro.
 .
O Abraço amigo incluindo afinidades antigas ou instantâneas.
 .
O Abraço onde os corpos sintam suas superfícies, pulsações, volumes, temperaturas, odores, variações e até talvez sua energia vital e sua porção espiritual.
 .
O Abraço breve ou duradouro, apertado ou suave.
 .
O Abraço entre duplas, trincas, casais, grupos, bairros, cidades, nações, sem distinção de etnias, preferencias, credos, idades, culturas, idiomas ou gêneros.
 .
O Abraço em si mesmo.
 .
O Abraço que desfaça antigas mágoas, desavenças, dominações, autoridades, inimizades e dúvidas.
 .
O Abraço mútuo.
 .
Um Abraço sem preconceito, mas com senso crítico onde sabemos da possibilidade de estarmos sempre evoluindo, e de que está no próximo, a ser abraçado, as possibilidades da paz.
 .
O Abraço que pode até evoluir em outras atitudes como carinho, beijo e outras volúpias humanas, incluindo a paixão e o amor.
 .
O Abraço verdadeiro que não se desfaz quando termina.
 .
O Abraço guarda em si uma revolução.
 .
Abracemo-nos…
 .
……………………………………………………………………. João Diniz, outubro 2017

ASTROLÁBIO filme curto de joão diniz

Clique em ASTROLÁBIO para assistir a uma navegação urbana por Salvador/Bahia incluindo imagem, sons e textos de joão diniz.

salvador

 

F I T A poemobjeto

IMG_8717

F I T A poemobjeto

vamos sem fazer fita

está tudo enrolado demandando cuidado
o experimento desfaz o rolo do tempo
ao abrir a bobina arriscar uma sina
com a vontade de fio seguindo o rio
o futuro será belo se desfeito o novelo
inventando na linha o senso que advinha

vamos sem fazer fita

letra a letra no foguete da caneta
destecendo palavras que vão se escrevendo
e indo adiante na frase branca do instante
filme metragem pensar a longa viagem
seguir sem parada no papel uma estrada
ao endereço achado após o começo

vamos sem fazer fita

a partida é para a roda a única saída
no passo que desfaz o laço do cansaço
como um brinquedo invertendo o medo
solo promissor no fim do escorregador
a cor vai ao céu desfiando o carretel
sem pretensão deixar a vaidade no chão

joaodiniz 2016

os poemobjetos de joão diniz são uma proposta híbrida que funde arte, design, poesia e performance e aparecem como peças a serem manipuladas  pelos leitores ou faladas de forma cênica. o texto, que nasce simultaneamente à idéia de transformação do objeto resultante, se refere sempre a um desdobramento formal e vivencial da peça que poderá ser reproduzida em tiragens limitadas. 

DIÁRIO IMAGINADO de joão diniz

diario imaginado logoa agenda em branco chegou no fim de ano, os episódios  foram anotados caligraficamente em forma de poemas, breves impressões cotidianas, tempos vividos e desvividos, observadas, exageradas ou inventados

esses fragmentos ou calendário de notas foram escritos sem ajustes, mas, em seguida após digitados, foram submetidos ao editor e, agora, ao leitor, que, ao ler estes breves apontamentos vão selecionar os dias a serem esquecidos ou lembrados

conheça a primeira revisão desse texto no link DIARIO IMAGINADO

GEOMETRIA INFORMAL um livro de joão diniz

Acesse o link para conhecer o novo livro de fotografias autorais e textos poéticos
GEOMETRIA INFORMAL por joão diniz publicado para aquisição sob demanda em julho de 2015.

Captura de Tela 2015-07-13 às 11.27.54

TRIPLA SAUDADE em NY

Imagem3

1

A cidade maçã a ser devorada
em seus pecados e murmúrios
a cidade sussurra em suas sirenes
e histórias e monumentos e baladas
cidade cantada numa tocata concreta
fugindo do vapor e da velocidade
é lá que se encontram as melodias
numa história de cordas e sopros
e em porões de tabaco e álcool
guardam a brisa que embala o ouvido
e é como se estes subterrâneos
guardassem toda a esperança da terra
numa revolução em forma de som

2

Times square anuncia piscante Johnny Winter
no BBKing Club entre as fortes luzes venais
descendo a escada do blues a surpresa
de cruzar com o mito que chega frágil
e cambaleante convalescente de excessos
e em caricias na inconfundível guitarra
continua mostrando quem é e foi e será
num relâmpago a estrela do Texas

3

Jack Bruce numa noite de neve gélida
fila externa na triste nota azul
mas o frio fica branco e úmido lá fora
e num tributo fiel a Tony Williams se mostra
preciso radical e eterno e jovem e presente
em dedos velozes e apos a seção
na porta do camarim falante Vernon Reid
o guitarrista dizia da importância vital de Jack
que como Miles turbinou o fusion jazz rock
Jack assim para sempre continuo soando

4

Charlie Haden na terra do pássaro
e a seu lado Joshua Coltrane pulsa
uma memória renascida lições do pai
junto ao contrabaixo suave profundo eloqüente
macio em notas que contam historias graves
e logo depois daquele dia Haden se foi
e depois do som com o Sergio Santos
que lá encontrei de surpresa e feliz acaso
saímos à rua em harmonia e encantados

5

Passei e passaram por NY três saudades
da musica ao vivo e nos discos do século XX
e presentes no XXI e muito depois
vidas que vão e se anotam num momento
que está no tempo a soar na memória do ouvido
afinando uma historia que é móvel na visão cantada
e no improviso onde crescemos e seguimos
ouvindo e aprendendo as melodias que somos.

Anúncios